Protesto contra a a política de Israel em Gaza durante a semifinal do Eurovision em Tel Aviv, no último dia 14 (Foto: Corinna Kern/Reuters)

Por Alberto Rodríguez García*

Os palestinos lembram todo dia 15 de maio, há 71 anos, a “Nakba”. Um dia antes, em 1948, Ben Gurion declarou unilateralmente “a independência de Israel”, provocando a “catástrofe” na Palestina. Entre 750.000 e um milhão de palestinos tiveram que deixar suas casas para nunca mais voltar. Forças israelenses destruíram e despovoaram cerca de 400 localidades, e dezenas de milhares de cidadãos morreram.

E é durante a comemoração da Nakba que Israel decidiu realizar o festival Eurovision 2019 em Tel Aviv. Nesta edição da Eurovision, Israel busca limpar sua imagem escondendo debaixo do tapete da festa seus mais desprezíveis crimes. As autoridades israelenses pretendem transformar o show em uma vitrine temporária; temporário como a alegação de que eles pediram ao seu exército para que, durante o festival, eles não repitam cenas como o assassinato de 60 palestinos durante a comemoração da Nakba de 2018, exatamente um ano atrás.

O espetáculo começou, mas não está nos palcos, e sim na rua. Após a quimera criada para os turistas com seus guias, lojas, hotéis, atividades, luzes, encenação… eles têm que esconder seu verdadeiro rosto de colonização, apartheid, violência, abusos e crimes contra os direitos humanos.

Será que aqueles que atendem a essa farsa sabem que o centro de congressos e feiras de Israel, o Tel Aviv Expo, é construído em uma terra roubada dos palestinos de al-Sheikh Muwannis durante a “catástrofe” em 1948? Saberão os participantes que irão dançar sobre tumbas e sobre a dor daqueles que nunca poderão voltar para sua terra natal? 5 milhões de palestinos vivem hoje em campos de refugiados enquanto suas terras são colonizadas por judeus de todo o mundo.

De acordo com a pesquisa acadêmica “A invenção do povo judeu”, do professor de História Europeia na Universidade de Tel Aviv Shlomo Areia, os descendentes dos judeus na “Terra Santa” são os palestinos, e a maioria dos judeus de hoje não têm nenhuma conexão com o atual território de Israel.

Em Gaza, longe da exuberância e glamour que pretendem mostrar os israelenses em Tel Aviv, a situação é tão desesperadora que 80% da população depende de ajuda humanitária, vivendo em uma prisão em larga escala ao ar livre, que há 12 anos está isolada por um bloqueio imposto por Israel.

Será que os participantes da Eurovision sabem que estarão celebrando a apenas 75 quilômetros de Gaza, onde as Nações Unidas já declararam que Israel está cometendo crimes de guerra contra os palestinos que todas as sextas-feiras protestam contra a ocupação e apartheid cometidos por Israel, alertado pelas Nações United em 2017? Desde que os palestinos vão protestar em Gaza toda sexta-feira, mais de 200 foram mortos e outros 7.000 ficaram feridos.

Israel vai deixar de lado as bombas durante estes dias, mas os participantes da Eurovision que não se confundam: o que se viu explodir em Gaza durante todo o ano não são fogos de artifício para recebê-los.

Em Gaza, longe da exuberância e glamour que pretendem mostrar os israelenses em Tel Aviv, a situação é tão desesperadora que 80% da população depende de ajuda humanitária, vivendo em uma prisão em larga escala ao ar livre, que há 12 anos está isolada por um bloqueio imposto por Israel. A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Médio (UNRWA) teme que até 2020 a Faixa de Gaza seja inabitável.

O país que se vende como uma democracia exemplar no ano passado abriu intencionalmente fogo contra jornalistas e profissionais de saúde. Pelo menos dois jornalistas e um paramédico foram mortos a tiros por atiradores israelenses em 2018.

“Um estado somente para os judeus”

Como já foi feito na África do Sul, programas como o Eurovision são pouco mais do que uma ferramenta de propaganda para limpar o apartheid.

Usar o termo “apartheid” não é nenhuma qualificação propagandística anti-israelense. Apartheid é algo que os próprios sionistas reconhecem com leis como a Lei de Estado Nação de 2018, que designa Israel como um “Estado judeu”, ou com declarações como a do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu que reafirmar a discriminação afirmando que “Israel é um estado somente para os judeus “. O carnaval da Eurovision nada mais é do que uma tentativa de limpar o sangue que cobre a bandeira sionista para o exterior através da cultura, assim como foi feito na África do Sul durante seu apartheid.

O carnaval da Eurovision nada mais é do que uma tentativa de limpar o sangue que cobre a bandeira sionista para o exterior através da cultura, assim como foi feito na África do Sul durante seu apartheid.

É a mesma estratégia que eles colocam em prática com o “Pinkwashing”; usando a causa LGTBI para desviar a atenção do problema real: eles são uma nação que nasceu da expulsão e assassinato dos nativos. Embora nem mesmo o casamento LGTBI seja legalizado dentro de Israel, porque o casamento civil não existe no país.

Israel, que nestes dias está organizando um “festival cultural”, menos de um ano atrás, em agosto de 2018, bombardeava o Centro Cultural Gaza Said al-Mishal, poucos meses depois de deter a poetisa Dareen Tartour pela publicação de uma poesia de resistência nas redes sociais; seguindo o país sionista assim, com suas políticas de tentar eliminar qualquer resquício da cultura e identidade palestinas. Poucos se lembram que o Jerusalem Post, um dos principais tabloides de Israel, surgiu em 1932 como The Palestine Post… embora os seus leitores, e até mesmo editores, tenham negado em várias ocasiões que a Palestina tivesse chegado a existir alguma vez.

Uma zombaria com os palestinos

A edição deste 2019 da Eurovision é um espetáculo onde não há a menor moralidade e dignidade humana, na própria essência de como ela surge. A conta oficial do “show” é promovida com um vídeo que diz:

“É a terra do mel, leite, de sol sempre”. A terra do mel que não podem tomar 80% dos habitantes de Gaza que dependem da ajuda humanitária. O leite – materno – das duas mulheres grávidas que assassinaram as bombas da aviação sionista no início deste mês. O sol que cobre a fumaça dos bombardeios e os barcos a gás contra os manifestantes da Marcha do Retorno.

Continua com “há alguns árabes”, em um território que há menos de um século era de maioria árabe. “Fugiu da Rússia por medo”, para fazer com que sejam os palestinos os que tenham esse mesmo medo. Assim, conseguiram fazer com que toda uma geração de crianças enfrente problemas psiquiátricos pela constante exposição ao terror.

Essa soberba é a essência dos sionistas, que sabem que podem fazer o que quiserem sem nenhuma consequência.

Mas a cereja do bolo é colocada quando afirmam que a seu capital é nada mais nada menos do que Jerusalém, embora a resolução ES-10 / L.22 da Assembleia Nacional da Organização das Nações Unidas diz que a declaração de Jerusalém como capital de Israel é “nula e sem valor”. A ‘gag’ é uma zombaria para com os palestinos; tanto muçulmanos e cristãos.

Essa soberba é a essência dos sionistas, que sabem que podem fazer o que quiserem sem nenhuma consequência. Com a declaração de independência de 1948 por Ben Gurion, Israel nascia já violando a convivência internacional e anulando o artigo 22 do Pacto da Liga das Nações, vinculante para todos os países da ONU, de acordo com o artigo 80 da Carta as Nações Unidas, que garantira a descolonização e autodeterminação da Palestina.

Nem mesmo os argumentos teológicos delirantes podem justificar o que Israel fez aos palestinos há sete décadas. Os movimentos ultraortodoxos mais apegados à fé, como Neturei Karta e Satmar Hasidins, rejeitam a existência do Estado de Israel, porque segundo a tradição judaica, seu povo pode voltar a Jerusalém e abandonar o “exílio” sem seu messias. O sionismo, além disso, é uma ideologia nacionalista que busca materializar as ideias divinas do judaísmo.

A carta do anti-semitismo

Israel se protege de seus críticos chamando qualquer um que denuncie seus crimes de anti-semitas. Não há, no entanto, nada mais anti-semita do que um sionista.

Não há, de fato, nada mais anti-semita do que criar um exército de africanos, europeus e americanos para expulsar os semitas nativos da Palestina. Não há, de fato, nada mais anti-semita do que rejeitar a essência do judaísmo em prol de um nacionalismo belicista, supremacista, chauvinista e baseado em ódio. Não há, de fato, nada mais anti-semita do que o estado de Israel.

*Jornalista especializado em Oriente Médio, propaganda e terrorismo

Texto originalmente publicado no RT em Español – Noticias internacionales